terça-feira, 19 de maio de 2009

FLAGRANTES NO SARAU MUSICAL


E bota musical nisso! A mesa esteve animada e prestigiada! Era a volta ao lar do garotão Zeferino Neto, aqui no lado direito, de boné, depois de quase 40 anos ausente do quadrilátero do famoso, efervercente e sobrenatural Bar Santo Antônio. Também presentes no Sarau em homenagem ao sanfoneiro Zenon, vemos o advogado e ex-bancário, Neville e o empresário Hélder Andrade muito contente com a proximidade das festas do glorioso padroeiro.

Fotos: Katiuscia- 180graus e MuseudoPaulo
Fotocharges: Netto/Bitorocara+


CONCLUDENTES - 1972

Alí embaixo, depois das lembranças do "Novo Hotel", você encontrará o convite da turma de Concludentes de 1972 do Ginásio Santo Antônio. A preciosidade gráfica foi enviada pela Berenice (Berê), aluna e companheira "carne e unha" da Margarida Melo, naquele distante e maravilhoso ano do século passado.

14 comentários:

Washington Araújo, de Fortaleza disse...

Amigos,
A magia da internet encurtando distâncias e a presteza do BITOROCARA nos informando e apresentando as imagens de Campo Maior quase em tempo real, nos permitem vislumbrar como foi a festa no bar do Antônio Músico.
Zan, Neville, Helder, não vejo a hora de ir a Campo Maior.
Um grande abraço

zan disse...

O que tem que ser registrado é que o Netto conseguiu fazer baixar até o Antonio Músico, no sarau em homemangem ao sanforneiro Zenon. Eu, Neville e Dr. Dácio Bona representamos a velha guarda, Helder, Lafayette, Josias Bona, Paulinho Vasconcelos, Moreninha Melo, Papouco e uma multidão de gente que eu fotografei e sai qualquer hora no nosso sitedozan, registrando um momento mágico em que todos campomaiorenses presentes se divertiram e esqueceram as aguras da vida.

Zildete - de Brasília disse...

Vixe Maria, meu Santo Alan Kardec, o Antônio Músico tava presente (me arrepiei todo). Rapaz deve ter sido bom demais. O problem é que nessa mesa deve ter saído todo mundo rouco porque além da zuada, o legítimo dono não é lá muito bom dos zôvido.
Que maravilha este blog!!!

Zildete - de Brasília disse...

Vendo a foto do "garotão", mesmo depois destes anos todos me alembro que nós chegamos a flertar com trocas de olhares na praça Rui Barbosa dos anos 60. O problema é que ele era tímido mais da conta. O professor deve continuar sendo bente boa e um grsnde campomaiorense. Cheguei a vê-lo à distância por aqui mas o tempo passa e voa e nós já somos vovó e vovô, acredito.
Uma abraçaõ pra todos

Zildete - de Brasília disse...

Ainda tremo de ver o Antônio Músico no sarau. Basta ver o final da digitação na mensagem. Vou a aprcer por aqui sempre que puder. Gostei demais do blog do João de Deus Netto, pelo visto o Netto é do seu Dideus da mais incrível mercearia que se tem notícia. Por causa do dono também.

zan disse...

Zildete, acho que lembro de você nos anos 60, ali pela praça Rui Barbosa. Continuo muito tímido, mas disfarço isso com um certo ar de distanciamento como se eu estivesse ausente e de preferência, sozinho com meus fantasmas e fantasias. No meio de gente, continuo atento ao momento de cair fora e sair pela tangente quando menos se espera. Infelizente ainda não sou avô, mas já tenho filhos (adoro criança, foi ótimo ter sido pai de quatro delas hoje adultos). Meus fihos e netos hoje são as crianças e adolescentes com quem faço teatro, o que não deixa de ser uma experiência paternal também gratificante.

Ricardo Reis disse...

Com certeza o Antônio Músico estava realmente presente na festa, possivelmente, na companhia do Puaca, Penha, Osvaldinho Lobão, José Francisco Bona e tantos outros frequentadores inesquecíveis do velho/novo, Bar Santo Antônio. O Antônio Manuel está de parabéns, por não deixar morrer mais uma das referência de Campo Maior. Infelizmente, muitas sucumbiram.

Neville Paz disse...

O Sarau do Bar Santo Antonio, na sua 3ª edição, já faz parte do momento cultural de Campo Maior. É tudo improvisado e espontâneo. Músicas, depoimentos, danças, drinks, congraçamentos e agradáveis "papos". Eu bem que desconfiei de uma presença estranha
na mesa em que estávamos postados, agora desvendada na fotografia acima: a presença era do nosso inesquecível amigo Antonio Músico.

zan disse...

Netto, tu não consegue assustar nem a mim nem ao Galleno, nós semo esprita, cara...

Judilão disse...

Zanfilão, o velho Puaca tava preoculpado com o que tu ía pendurar...
Tu não ta nem aí mesmo né Zanfilão?
O Puaca me falou nos anos 60 que tu foi o maior filador de cerveja lá. Tu pensa que a gente não sabe?
Zanfilão tu tem que escrever um livro sobre o bar Santo Antonio...
Ramu simbora
Zanfilão, fala tambem da Elvira Bioncê...conta a verdadeira vida pregressa dela...tu ouviu homi?

zan disse...

A Elvira tá afim de paz também, judila, vê se te manca e dá uma trégua pelo menos até os festejos... Vim pra cá escrever todos os livros que precisam ser escritos, na hora certa eles vão aparecer... se liga. O capote diz que filação lá na barraca dele só pros amigos de mais de 60 anos, te prepara, porque tu ainda vai ter que me rebocar pra casa mais alto do que a bandeira no pau do santo, além de pagar o que eu beber e comer.

Prof. Marko Galleno disse...

Obrigado ao Netto por nos fazer conhecer estes fatos e pessoas tão marcantes na nossa comunidade, mas também por nos permitir a conexão das "histórias".
Um abraço.

De Assis disse...

Tem mais é que benzer esse lugar aí.

Pretextato Melo disse...

Ao meu amigo Zeferino,

Estive nos Festejos de Santo Antônio e comprovei como ficou gostoso o bar do Antônio Músico. Ficava nas barracas até às 23 horas e, depois, todos os dias, ia com um grupo de amigos para este barzinho. Lá reencontrei muita gente de nossa época.

Como você, eu também saí de Campo Maior há 41 anos (1968) e não sabia que você tinha retornado. Fica para minha próxima visita, que deverá ser em breve.

Deixo aqui meu e-mail para contato: pretextatojose@yahoo.com.br

Abraços do amigo,
Pretextato Melo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...